Por que apostar no modelo de locação short stay?

Por que apostar no modelo de locação short stay?
15 mar. 2023

Aluguéis de curta temporada se tornaram tendência nos últimos anos em função das novas relações de trabalho e da evolução da tecnologia que conecta interessados aos proprietários

Nos últimos anos, a locação short stay se tornou cada vez mais comum em escala global. Esse modelo pressupõe contratos de curta duração – normalmente até 3 meses –, ideais para turismo, negócios ou até para a moradia dentro do novo contexto de trabalho híbrido decorrente da pandemia.

Nômades digitais, profissionais liberais, executivos e pessoas que atuam em projetos de curta e média duração costumam adotar este tipo de moradia. As novas relações de trabalho abrem a possibilidade de não se fixar em uma cidade, vivendo experiências distintas de forma temporária.

A locação short stay ganhou muito terreno com o suporte da tecnologia. A existência de plataformas especializadas e voltadas a essa finalidade permitiu a integração entre os proprietários e as pessoas interessadas no aluguel de curta temporada.

Esse movimento gerou repercussão até mesmo no mercado de construtoras e incorporadoras. É cada vez mais recorrente acompanhar notícias de lançamentos planejados para a locação short stay, atendendo até mesmo ao interesse de um perfil de investidores.

Estes empreendimentos costumam sofrer adaptações de plantas e, sobretudo de áreas comuns, visando reduzir os problemas tradicionais, como segurança, dificuldades de acesso, entre outros.

Para os proprietários, este tipo de negócio gera algumas vantagens:

Flexibilidade – Não é incomum que o formato de locação short stay seja oferecido em locais com mais apelo turístico. Isso permite ao proprietário determinar os períodos disponíveis para a locação, assim como aqueles voltados ao próprio uso.

Mais rentável – A locação short stay costuma ser mais cara do que o aluguel tradicional para os interessados. Trata-se de uma lógica semelhante a de investimentos financeiros: quanto maior o risco, maior a possibilidade de ganhos. A possibilidade de retorno cresce em períodos de maior procura, como os meses de férias (julho, dezembro e janeiro) e feriados prolongados.

Menos custos de manutenção – A presença de várias pessoas por curtos períodos faz com que o proprietário precise observar com mais atenção a manutenção do espaço. Ao contrário de locações tradicionais, cujos contratos costumam ser de pelo menos 1 ano, o dono pode observar o imóvel periodicamente e optar pela prevenção em situações que exijam manutenção.

Inclusão de taxas no valor da locação – Uma locação de curta duração pode – e deve – incluir determinadas taxas no valor, como as relacionadas à limpeza (na entrada e na saída). Para o proprietário, é a possibilidade de incluir esses custos, cobrindo não só os valores das empresas ou profissionais como o seu custo de gestão.

Benefício social – A relação com pessoas que estão sempre viajando e conhecendo outras culturas pode abrir a oportunidade de uma troca de experiências e de muito aprendizado. Basta estar atento e aberto a estas possibilidades.

Os desafios da locação short stay

É claro que os aluguéis de curta temporada requerem a superação de alguns obstáculos importantes para se tornarem mais efetivos.

Relação condominial – É preciso entrar em consenso em relação às regras de convivência do condomínio – acesso ao condomínio e áreas comuns, horários de silêncio, segurança, entre outros. Em um imóvel construído para este fim, a tecnologia embarcada e as regras tendem a não ser um problema.

Períodos de vacância – Uma locação de curta temporada pode deixar vários buracos em seu cronograma de hóspedes. Por esse motivo, é importante planejar os valores de modo a cobrir estas despesas ao longo do ano e estabelecer boas relações com hóspedes com demandas fora dos períodos mais visados. É um modelo de negócio com mais riscos e que exige inteligência em sua administração.

Maior exigência para a gestão – Em um aluguel tradicional, o contrato é assinado e permanecerá assim pelo período estipulado. Na locação short stay, é possível ter pessoas entrando todas as semanas no imóvel, o que vai exigir cuidados com a limpeza, manutenção, entrega de chaves, registro no condomínio, entre outros pontos que demandam cuidado e atenção.

Decoração – O perfil de pessoas a serem atingidas pelo seu imóvel deve ser considerado no quesito decoração. Ao contrário do que ocorre nos imóveis tradicionais, o proprietário deve considerar o tipo de pessoas interessadas em ingressar em seu apartamento, a localização, o apelo da cidade e investir em uma decoração funcional, que ofereça toda a sensação ao hóspede de estar em casa.

Dentro do segmento imobiliário, existem várias maneiras de conseguir ter lucro e tirar o melhor do seu imóvel. A locação de short stay é uma possibilidade que surgiu nos últimos anos e está sendo abraçada tanto por um determinado perfil de profissionais e turistas como pelos próprios investidores.

Acompanhe outras tendências do mercado imobiliário em nosso blog.

COMPARTILHE:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Lavanderia funcional no apartamento: como organizar
Autor: Vincere Incorporadora

Lavanderia funcional no apartamento: como organizar

Independentemente do tamanho do espaço, é possível planejar uma lavanderia funcional e moderna no apartamento Quem nunca viu um...

Qual a diferença entre designer de interiores e arquiteto?
Autor: Vincere Incorporadora

Qual a diferença entre designer de interiores e arquiteto?

Muitos têm dúvidas entre qual profissional contratar em uma reforma ou na modificação de um cômodo de sua casa:...

Reforma do apartamento: veja alguns cuidados
Autor: Vincere Incorporadora

Reforma do apartamento: veja alguns cuidados

Planejamento, bons materiais e uma ajuda profissional podem fazer a diferença na reforma do apartamento: trazendo segurança e um...